Categorias
Aviação

Por que esse os avioes pousam assim?

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?ref=top&id=108673

por que eles nunca pousam bem centralizado, mas sempre forçando, jogando todo o peso para um dos trens de pouso e na maioria das vezes, no da direita. por que?
e se o trem de pouso nao resistisse, o acidente poderia ser fatal ou so um deslizamento?

6 respostas em “Por que esse os avioes pousam assim?”

muitas vezes é para pegar uma boa corrente de ar, para nao desestabilizar a aeronave!!
e outra, o trem de pouso mais fraco por assim dizer é o direcionavel, aquele que fica no bico da aeronave, sabe??
ele sozinho ja aguentaria mais ou menos 80% do peso bruto do aviao… ou seja o trem de pouso é muito, muito forte… feito de material especial, que amortece, e se desloca alguns centimetros, para nao quebrar, ele nao é 100% rigido!!
maiores informaçoes…

Esse não é um pouso comum, como diz o fotográfo, na sua descrição na parte inferior direita da página, o piloto do avião foi supreendido na final do pouso por uma rajada de vento muito forte, de acordo com ele de 33 nós, onde desquilibrou a aeronave, que não seu procedimento de pouso, não foi caculado para o momento um vento tão forte, o que ocasionou essa imgem que o cara conseguiu registrar!

A resposta está nos 4 cataventos que estão ao Fundo na foto, todos eles estão virados na foto da Direita para a esqueda, logo o Avião está pousando com um vento de través da Esquerda para a Direita.

O piloto está fazendo o que se chama na Aviação de DAR ASA AO VENTO, ou seja abaixa-se a Asa do lado em que vem o vento e mantém-se o eixo da pista com os pedais do leme.

É por conta do vento de revés, isso acontece pq quando o avião está em alta velocidade no ar, fica mais leve que no solo, agregado à isso a força do vento causa essa situação da foto. Isso acontece com frequência aqui no aeroporto da cidade vizinha à minha, os ventos fortes dificultam bastante os pousos.

Abç
Tiago

Te explico: Esse não é um pouso normal. Essa aeronave foi acometida por uma Tesoura de vento:

O windshear (tesoura de vento) já causou dezenas de acidentes aéreos em todo o globo, com aproximadamente 500 vítimas fatais e 200 feridos em 26 ocorrências com aeronaves civis entre 1964 e 1985. Trata-se de um fenômeno meteorológico que nem sempre pode ser prognosticado e dominado, devido a sua violência e a rapidez com que se forma; portanto é interessante conhecê-lo para não levar, literalmente, uma rasteira.

A tesoura de vento pode ser definida como uma variação na direção e/ou na velocidade do vento em uma dada distância (na vertical ou horizontal). Cortante de vento, gradiente de vento ou cisalhamento do vento são outras denominações para o windshear.

Em termos de antecedentes na aviação, as tesouras de vento sempre existiram, porém foi, provavelmente, a partir do exame detalhado do Flight Recorder (caixa preta) de uma aeronave da Eastern Airlines que caiu, em junho de 1975, a poucos metros da cabeceira 22L do Aeroporto John F. Kennedy (Nova Iorque), que se verificou de maneira mais concreta tanto sua presença quanto importância como causa principal ou contribuinte de inúmeros acidentes. A esse fato se seguiram várias reinvestigações de antigos acidentes aeronáuticos, inicialmente atribuídos a erros dos pilotos, que na realidade tinham esse importante fenômeno meteorológico por trás dos episódios.
Em aviação o fenômeno pode ocorrer em todas as fases de vôo, entretanto é particularmente perigoso em baixos níveis, nas fases de aproximação, pouso e subida inicial, face a limitação de altitude e de tempo para manobra das aeronaves.

No Brasil as torres de controle dos principais aeroportos estão instruídas a computarem todos os reportes de tesoura de vento que ocorram da superfície até 2000 pés (600 metros) de altura.

O Acidente na foto poderia sim despedaçar a aeronave caso ela ainda apresentasse a tendência de ir para a esquerda, pois estava a uma velocidade muito alta ainda no inicio do pouso.

Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *