Categorias
Cães

É POSSIVEL PEGAR AIDS DO MEU CACHORRO?

GENTE EU TO COM MEDO,EU TAVA NA CAMA COM ELE E ALISEI ELE,SERA QUE EU PEGUEI?

14 respostas em “É POSSIVEL PEGAR AIDS DO MEU CACHORRO?”

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
vou concorda com a minina ai em cima (mari) ↑
vamos ignorar esta pergunta, até porque não da pra responder de tanta risada …

a não ser, que tu deu pra ele ! ;D kkkkkkkkk

Depende, você deu pra ele ? ( ) SIM ( ) NÃO
Lambeu o pingulin dele ? ( ) SIM ( ) NÃO
Lambeu o sangue dele ? ( ) SIM ( ) NÃO

Se você respondeu sim em qualquer uma dessas perguntas, PARABÉNS, VOCÊ TEM AIDS !

O vírus da imunodeficiência felina (FIV) pertence à mesma subfamília do vírus da imunodeficiência humana (HIV), causador da AIDS, porém é espécie-específico, ou seja, infecta apenas felinos.

O principal meio de transmissão se dá através de mordeduras. Outras fontes de infecção são através de transfusão de sangue, da mãe para o filhote, caso ela se infecte durante a gestação. Acredita-se que ele também possa ser transmitido pelo contato com a saliva dos animais contaminados.

Os animais mais suscetíveis são os machos inteiros (não castrados) e gatos de vida livre, ou domésticos, que têm acesso a rua, pois a transmissão por ferimento de mordedura pode ocorrer durante as brigas.

O vírus infecta primariamente as células de defesa (linfócitos), destruindo-as lenta e gradualmente semelhante ao que ocorre com o HIV. O animal passa por cinco fases da doença até chegar à imunodepressão, que é a última fase, chamada fase AIDS felina. Isto demora anos, e uma das características da doença é o longo período de latência, ou seja, o animal infectado não apresenta nenhum sintoma durante anos (portador assintomático). Por sua semelhança com a AIDS humana muitos pesquisadores tem estudado a doença dos gatos para entender e auxiliar a descobrir tratamentos para a doença no homem.

O diagnóstico é feito através de exame de sangue para confirmar a presença de anticorpos contra o FIV na corrente sanguínea. Atualmente no Brasil temos disponível o teste ELISA. É importante frisar que uma vez soropositivo, o gato torna-se importante fonte de infecção para outros gatos, sendo ideal testar todos os animais da casa e manter os soropositivos isolados dos soronegativos. Outras medidas de controle são castrar o animal e evitar que ele tenha acesso à rua, além de rigorosos cuidados e visitas constantes ao veterinário.

As reações dos proprietários ao receber um diagnóstico de FIV são variadas, passando pelo desespero até o preconceito, semelhante ao que ocorre com as pessoas portadoras do HIV. Hoje em dia podemos proporcionar uma qualidade de vida melhor para o gato soropositivo, pois algumas drogas utilizadas em medicina para pessoas com AIDS têm sido utilizadas em gatos. Estas drogas promovem uma melhora da condição clínica e imunológica. Além do tratamento direcionado para o FIV, temos que tratar as infecções secundárias e oportunistas.

acho meio dificil o cachorro ter aids, mas se vc teve algum contato vai fazer um exame, mente pro médico se tiver com vergonha, vai em um médico bem longe da sua casa onde vc provavelmente não vai voltar tão cedo e faz o exame. E procura não fazer nada com o cachorro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *