Categorias
Teatro e Representação

Com relaçao ao livro O primo Basilio responda?

Por suas caracteristics bem peculiares, o conselheiro Acacio tornou-se um personagem muito famoso na literatura portugues, dando origem ao adjetivo acaciano, que se transformou ate um verbete de dicionario. Veja como ele vem explicado no dicionario Aurelio. “Acaciano. Adj. Ridiculamente sentencioso pelo tom convencional e vazio de sentido e / ou pela aparatosa gravidade das maneiras, lembrando o Conselheiro Acacio, personagem do romance O primo Basilio, de Eça de Queiros.” Apontaras passagens que podem justificar essa caracterizaçao do personagem.

3 respostas em “Com relaçao ao livro O primo Basilio responda?”

INTRODUÇÃO: A Revolução Industrial iniciada no século anterior, na Inglaterra, provocou uma industrialização acelerada em vários países. As cidades cresciam rapidamente, camponeses transformavam-se em operários urbanos e a vida cultural diversificava-se. Londres, Berlim, Viena e principalmente Paris eram o centro de um vigoroso processo criativo. Enquanto isso, Portugal mantinha-se apegado às glórias do passado. O pais não chegou a desenvolver uma burguesia empreendedora e capitalista, nem uma elite intelectual significativa que fizesse desenvolver as artes e as ciências. A elite de Lisboa vivia apegada às glórias coloniais passadas. De costas para o futuro, vivia centrada em sua vidinha sem perspectivas. A escola realista propõe uma criação literária apoiada na análise objetiva da realidade. O narrador vê os acontecimentos com neutralidade e domina as informações sobre o contexto o qual o enredo acontece. O Naturalismo traz uma preocupação a mais: tenta introduzir o método científico na obra literária e, com isso, intensifica e amplia as tendências básicas do Realismo. POSICIONAMENTO DO AUTOR EM RELAÇÃO AO TEMA Eça de Queirós faz parte de uma geração de jovens intelectuais, centrada em Coimbra, que reagem contra o atraso do país. Eles criticam o Romantismo como um sinônimo desse atraso. E com seus Realismo e Naturalismo pretende incorporar à Literatura os métodos científicos próprios das ciências naturais. O autor disseca essas deformações da sociedade lusitana e explica sua fonte de pesquisa e inspiração neste trecho de uma carta enviada a Teófelo Braga “Mas a verdade é que eu procurei que os meus personagens pensassem, decidissem, falassem e atuassem como puros lisboetas, educados entre o Cais do Sodré e o Alto da Estrela; não lhes daria nem a mesma mentalidade, nem a mesma ação se eles fossem do Porto ou de Viseu; as individualidades morais variam de província a província”.

Continua… Acesse fonte!

Este não aceita a proposta da amante e parte sozinho para Paris. À mercê da empregada, Luísa torna-se pouco a pouco uma verdadeira presa nas mãos de Juliana: é obrigada a fazer o serviço doméstico em lugar da criada e sua situação fica insustentável. Jorge retorna do Alentejo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *